Distração nas ruas faz crescer até ‘colisões’ entre os pedestres

0
1035
Dia do pedestre Jose Eduardo Bezerra de Noronha

Celular nas mãos, fone nos ouvidos, cabeça baixa e atenção zero. É assim que muitos pedestres, conectados com as tecnologias digitais, andam pelas ruas hoje em dia. Além do risco de acidentes graves, este comportamento, cada vez mais comum, tem aumentado até mesmo as “colisões” entre pedestres.

Pedro e Flávio também já viram pedestres trombando em postes

Moradores de Bauru que costumam caminhar com frequência pela via pública e agentes de trânsito, ouvidos ontem – no Dia Mundial do Pedestre – pela reportagem, confirmam esta realidade. “A gente, quando fica muito concentrado no celular, se desliga um pouco”, comenta o recepcionista José Eduardo Bezerra de Noronha, 22 anos.

Com os fones de ouvido ligados sempre que está caminhando, ele conta que até mesmo correu o risco de ser atropelado por um veículo porque estava ouvindo música em volume muito alto. “O sinal estava fechando e o carro acelerou. Como eu estava olhando para o semáforo, não percebi e quase acontece um acidente”, conta.

Assim como ele, a operadora Carla de Andrade Bertuzzo, 18 anos, diz não ter o hábito de manusear o celular enquanto caminha, mas reconhece que o costume de usar fones para ouvir música acaba retirando parte de sua atenção. “Queria mudar isso, mas sou viciada em escutar música”, diz.

O risco, em meio à toda distração, vai além do simples transtorno de uma trombada. Segundo a Emdurb, de janeiro e julho deste ano, a quantidade de atropelamentos em Bauru foi 28% maior do que o mesmo período do ano passado: foram 87 registros em 2018, ante a 68 em 2017.

E o número de mortes também subiu. Até o momento, em 2018, três pedestres perderam a vida no trânsito bauruense, número já superior ao contabilizado em todo o ano passado, quando dois pedestres morreram.

MAU COMPORTAMENTO

Chefe do Grupo de Operações de Trânsito (GOT) da Emdurb, Flávio Ferreira aponta que as estatísticas refletem, em grande medida, o mau comportamento dos pedestres, que, por exemplo, atravessam ruas fora da faixa de segurança e não respeitam os semáforos próprios de quem está a pé. “Nos cruzamentos com o Calçadão da Batista de Carvalho, outra cena é frequente: as pessoas descem da calçada e se aglomeram na rua durante a passagem dos veículos, mesmo havendo semáforo de pedestre”, comenta.

Com a experiência de quem está nas ruas observando o vai e vem de veículos e pessoas todos os dias, ele e o encarregado Pedro Raheder têm inúmeras histórias para contar de acidentes e pequenos incidentes envolvendo pedestres. “Uma vez, uma mulher estava olhando para o celular, com fone no ouvido e quase atravessou a Rodrigues Alves com o trânsito fluindo. Só não aconteceu nada porque eu a puxei pelo braço”, relembra Ferreira.

Além de “colisões” entre pedestres porque ao menos um deles estava de cabeça baixa, os agentes também relatam já ter presenciado pessoas trombarem em postes de sinalização ou de energia elétrica. “Tem quem passe uma quadra inteira sem olhar para frente. Considerando que existem muitas calçadas em mau estado, essas pessoas podem, inclusive, cair e se machucar”, acrescenta o chefe do GOT.

Além disso, quem fica desatento com o celular nas mãos também está mais vulnerável a assaltos, conforme alerta, constantemente, a Polícia Militar. Pedestres, especialmente jovens, são os alvos preferenciais dos criminosos, que obtêm renda fácil com a comercialização destes eletroeletrônicos no mercado paralelo.

Você sabia?

Medidas para alertar pedestres distraídos com celular têm sido adotadas ao redor do mundo. No ano passado, a prefeitura de Bodegraven, na Holanda, chegou a instalar LED no chão de um cruzamento para usuários de smartphones. As faixas iluminadas foram posicionadas próximas ao meio-fio e ligadas ao sinal de trânsito para mudar de cor. Projetos de sinalização para alertar os aficionados por celular também foram desenvolvidos em países como a Alemanha, EUA, Austrália e Coreia do Sul.

Fonte: https://www.jcnet.com.br/Geral/2018/08/distracao-nas-ruas-faz-crescer-ate-colisoes-entre-os-pedestres.html

Deixe uma resposta