Conheça o Fablab, espaço para as pessoas colocarem as ideias em prática em Bauru

0
1084

Se você tem uma ideia na cabeça, mas não sabe como colocá-la em prática, nós conhecemos um lugar aqui em Bauru perfeito para isso. O AEON Fablab é, resumidamente, um laboratório para concretizar ideias. Ele faz parte do movimento maker, conhecido por incentivar as pessoas a construírem ou personalizarem as próprias coisas.

O projeto de criar um lugar onde as pessoas vão para colocar as ideias em prática surgiu no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), com o professor Neil Gershenfeld. Ele criou uma disciplina chamada “Como fazer quase qualquer coisa” e alunos de diversas áreas se interessaram, pois, por mais que eles não fossem da área de computação, elas queriam aprender a fazer quase qualquer coisa.

“O pressuposto da disciplina é que as pessoas pudessem aprender a usar equipamentos que fabricam coisas rapidamente. Assim elas poderiam usar as máquinas para produzir objetos específicos e exclusivos. Então, seria a realização de um projeto pessoal ou a personalização de outro objeto”, explica João Carlos Ariedi Filho, do AEON Fablab.

A partir dessa disciplina, o Fab Foundation, do MIT financiou o primeiro laboratório chamado Fablab. Lá, foram colocadas máquinas específicas que poderiam fazer o que a disciplina propôs.
Se você está associando os Fablabs a cientistas, robóticas e assuntos ligados à tecnologia, esqueça! O Fablab é um lugar para encontrar a solução, seja ela qual for. Além de ser um meio de criar desenvolvimento e gerar negócios ou acesso à informação e criar meios de popularizar o método de fabricação.

Simplificando…

Para entender de fato o que é um Fablab, primeiro deixe de lado todos os preconceitos em torno da área tecnológica e da construção das coisas. Em segundo lugar, preste atenção na comparação que o João Carlos fez para explicar o conceito.

“Assim como na década de 70, quando as pessoas não sabiam para que usar o computador, hoje, elas também não sabem para que elas vão usar um núcleo de fabricação. Mas o objetivo é que, no futuro, os Fablabs se popularizem”.
Outro objetivo dos Fablabs é o empoderamento das pessoas para poderem fabricar e entender que, além de consumidores, elas podem ser produtoras. Participar do processo de produção daquilo que consomem e perceberem como as coisas são feitas, resulta na utilização dos produtos com eficiência.

De Massachussetts para Bauru

Quem organizou o primeiro Fablab de Bauru e região foi um grupo de dez pessoas, que apesar de diversificado, todos tinham um interesse em comum: utilizar laboratórios. “O grupo é divido entre pessoas que estudam programação, física, design, marcenaria e biologia. Porém, todas queriam ter acesso aos laboratórios. Na universidade, a gente não tem acesso e não pode colocar o conhecimento em prática. Então passamos muito tempo na teoria. Como a maior parte das pessoas gostaria de ter um ambiente para colocar as ideias em prática, eles decidiram montar um Fablab na cidade”, diz João Carlos.

O AEON está aberto para quem quiser conhecer e, para isso, não é preciso conhecimento específico, apenas uma ideia e a vontade de por a mão na massa. “Não adianta chegar apenas com a ideia e esperar que as pessoas façam pra você. O lugar é para se contagiar com o trabalho de todo mundo e fazer alguma coisa também. Às vezes parece algo complicado, mas você pode ir lá e fazer um anel. Se você gosta de desenhar joias, dá para prototipa-las e fazer qualquer coisa, vai adorar”, conta Guilherme Francisco Alves de Souza da AEON.

O que define um Fablab?

Para fundar um Fablab não é necessário enfrentar muita burocracia, já que o objetivo é popularizar esses tipos de lugares. Por isso, é necessário apenas seguir quatro parâmetros. O primeiro é ter um conjunto de máquinas, pois quando um projeto é produzido em Bauru ele também pode ser replicado outro Fablab pelo mundo. Se todos os laboratórios tiverem as mesmas máquinas e as mesmas plataformas de prototipagem, eles conseguem replicar esse projeto em escala global. Em Bauru, os equipamentos do AEON Fablab são: impressora 3D, marcenaria básica e bancada de eletrônica.

O segundo parâmetro é aderir à Fab Charter, ou seja, à carta de princípios da Fablab. O terceiro é ser conectado à rede e ter contato com outros Fablabs do mundo inteiro, assim, o sistema pode evoluir e ser distribuído, adaptando a cada região. O último parâmetro é organizar os Open Days uma vez por semana com atividades gratuitas para a comunidade. Aqui em Bauru, esse dia é realizado aos sábados, das 16h às 20h.

Como participar do AEON?

O local está aberto das 9h às 21h de terça a sexta-feira e, em qualquer um desses dias, você poderá chegar lá para conhecer e conversar com os organizadores, sem nenhum custo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para as pessoas que desejam usar o espaço para trabalhos, funciona com uma mensalidade e o valor varia de acordo com o pacote adquirido. Você pode usar os equipamentos do Fablab pagando por hora ou alugar as máquinas ou as bancadas eletrônicas e da marcenaria.

Outro serviço oferecido é o de consultoria, onde você apresenta um projeto que quer desenvolver e as pessoas do AEON, de acordo com a área e com a experiência, ajudam a desenvolvê-lo.

Mais do que um lugar para produzir coisas, o AEON FAblab é um ambiente criativo que gera inovação. Lá as pessoas estão em contato com outras de diferentes áreas, com diferentes habilidades, o que ajuda a transferência de conhecimento horizontalmente.

Para as pessoas que estão ali convivendo todos os dias, o Fablab faz parte daquilo que é a vida delas. “Nós acreditamos que seja algo de extremo valor, tanto para o desenvolvido social, quanto para o desenvolvimento particular. Não trabalhamos lá porque temos a expectativa de que vai render lucros, até porque é uma organização sem fins lucrativos. O que aprendemos lá dentro, a produção dos próprios objetos e o compartilhamento de conhecimento é algo que faz parte do nosso próprio modo de vida. Aprender a fabricar coisas é a forma como nós aprendemos a aprender”, diz João Carlos.

Serviço
AEON Fablab – R. Engenheiro Saint Martin, 17-15
Horário: terça a sexta-feira, das 9h às 21h / Aos sábados são realizados os eventos Open Days, das 16h às 20h
Telefone: (14) 98143-1057

Deixe uma resposta