Stefania – Cadê o Dinheiro? Luz no fim do túnel? Como continuar no páreo em tempos de crise!

0
1009

Apesar de alguns indicadores já apontarem uma tímida tomada de crescimento, ainda vivemos um clima de insegurança que reflete diretamente na circulação de dinheiro no mercado.

Resultado óbvio do círculo vicioso: menos dinheiro circulando agrava a crise, e com a piora da situação, aumenta o medo. Assustadas, as pessoas tomam menos decisões e adiam compras.

Mas é possível sobreviver a esta maré e ainda melhorar os resultados. Basta oferecer um bem que é muito valioso e que ainda anda mais sumido que o próprio dinheiro: a credibilidade.

Aproximar-se do cliente e manter-se quase como um repórter mantendo-o informado sobre eventuais alterações de preços, atrasos na entrega ou qualquer fato relevante que tenha a ver com seu mercado, faz toda a diferença.

Tenho prova disso em minha vida profissional, desde que alterações de preços diárias se instauraram e nossa postura profissional precisou adaptar-se a esta nova realidade sem deixar que ocorressem quedas de vendas ou queixas na ouvidoria.

Estimular que o cliente entre em contato com você e equipe, inclusive várias vezes ao dia, seja para tirar dúvidas até reclamar e manter um diálogo franco que mostre também que ele sempre tem benefícios até quando as coisas não saem como o esperado, é a oportunidade de fidelização que muitos perdem.

Nada supera o vínculo, em especial em um uma cultura latina como a nossa, que por vezes perdoa deficiências técnicas, mas condena brutalmente a antipatia.

Prepare também sua equipe para não fugir de conflitos e não ter medo de cliente bravo. Gerenciamento de crise e conciliação é tão importante que os americanos se especializam neste ramo há anos.

Perigoso é deixar um cliente insatisfeito sair sem explicação, com a certeza de que ele não é importante e de que se a empresa está “fugindo” deve ter agido de má fé.

Por pior que seja uma explicação verdadeira, ela é melhor que uma mentirosa ou nenhuma.

Sucesso sempre!

  • Estimule seus clientes a manterem contato com sua empresa;
  • Ofereça todos os meios disponíveis para este relacionamento, telefone, e-mail, mídias sociais;
  • Lembre-se que cliente nunca incomoda, o que incomoda é perder para a concorrência;
  • Não tema cliente bravo. Não espere que ele se acalme. Enfrentar e resolver o problema é o melhor;
  • O cliente coloca dinheiro na sua empresa, então é praticamente um sócio. Deixe que ele se sinta participativo e importante;
  • Em termos de incerteza seja a sua honestidade a segurança que as pessoas precisam para retomarmos o crescimento.

Deixe uma resposta