Adesão à greve aumenta e servidores apresentam mais uma contraproposta

0
916

Mais 323 servidores municipais aderiram à greve da categoria, que entra, nesta quinta-feira (22), no seu terceiro dia. A adesão registrada no primeiro dia, de 818 funcionários, subiu para 1.141 trabalhadores, nessa quarta-feira (21), segundo levantamento realizado pela Prefeitura de Bauru.

O número não difere muito da estimativa divulgada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Bauru e Região (Sinserm), de 1.200 trabalhadores mobilizados. Com a greve reforçada, a entidade protocolou, no início da tarde de ontem, no Palácio das Cerejeiras, nova contraproposta ao chefe do Executivo, Clodoaldo Gazzetta (PSD).

A oferta, deliberada durante assembleia, reivindica reajuste salarial imediato de 3% e mais 3% em 1 de novembro; vale-compra de R$ 451,00; abono de R$ 420,00; incorporação da vantagem pessoal de R$ 80,00 concedida em 2017 no vencimento básico de cada servidor; pagamento da licença-prêmio a todos os servidores que tenham direito; não reajuste no percentual de contribuição previdenciária paga à Funprev e manutenção do plano de saúde nos moldes atuais.

Após a definição dos itens, os grevistas percorreram ruas do Centro de Bauru, com protestos em frente à Câmara Municipal e à Secretaria de Saúde. “O movimento, que já começou forte, ganhou um impulso ainda maior e continuamos aguardando uma resposta da administração”, destaca um dos diretores do Sinserm, Moisés Cristo.

Até o final da noite de ontem, a prefeitura não tinha apresentado nenhuma nova proposta, alegando ser incapaz de avançar nas negociações por conta das restrições impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A última oferta anunciada pelo governo, na terça-feira, foi de reajuste do salário em 2,84%, dividido em duas vezes – uma em março e a outra em novembro, abono (antigo vale-refeição) indo de R$ 350,00 para R$ 360,00, e reajuste de 10% no vale-compra, que passaria dos atuais R$ 410,00 para R$ 451,00.

IMPACTOS

Assim como na última terça-feira (20), a grande maioria dos grevistas continua sendo composta por servidores da Secretaria de Educação, mas, ontem, a Saúde reforçou o movimento, com 193 funcionários paralisados. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, três das nove viaturas do Samu deixaram de circular e atender as solicitações via 192, já que três motoristas e um técnico de enfermagem aderiram à greve.

Como consequência, ainda de acordo com a pasta, “o serviço é afetado com um maior tempo resposta”, que se refere ao período transcorrido entre a ativação do serviço de emergência até a chegada da equipe de atendimento móvel ao paciente. As Unidades de Assistência Farmacêutica (UAFs) também foram impactadas e deixaram de entregar medicamentos à população.

Na Educação, ainda segundo a prefeitura, a Escola Municipal de Educação Infantil Integral (Emeii) Maria Helena Picolato Amantini foi a única a deixar de funcionar, ontem. Entre as escolas municipais de Ensino Fundamental (Emef), assim como anteontem, continuaram de portas fechadas a Cônego Aníbal Difrância e a Santa Maria.

Já as Emefs Ivan Engler de Almeida, Nacilda de Campos e o Núcleo de Ensino Renovado retomaram o atendimento, mas de forma parcial. Mesmo com o aumento da adesão de 660 para 800 servidores da secretaria, a pasta informou que as atividades foram normalizadas na Emef Dirce Boemer Guedes de Azevedo. O município diz que houve necessidade de remanejamento de funcionários, contudo, não explica como possibilitou o retorno do expediente nesses locais.

Devido à ausência de merendeiras em número suficiente, os alunos das escolas municipais e estaduais continuam recebendo a ‘merenda seca’, como frutas e cereais, que não demandam preparo.

Outras secretarias

As outras secretarias que seguem mobilizadas são a do Meio Ambiente, com 61 servidores parados, Obras com 31, Sebes com 13, Sear com cinco, Cultura com quatro, e Seplan e Finanças com três, cada. No total, a adesão já chega a 20% do funcionalismo na administração direta. Na administração indireta, o Departamento de Água e Esgoto (DAE), que conta com 700 funcionários, teve adesão de 22, e na Emdurb, que tem 800 trabalhadores, seis pararam. Não houve alteração em serviços como a coleta de lixo.

Fonte: https://www.jcnet.com.br/Politica/2018/03/adesao-a-greve-aumenta-e-servidores-apresentam-mais-uma-contraproposta.html

Deixe uma resposta