Um brasileiro na família Queen

0
1423

O cantor Alírio Netto adorou Bauru, onde esteve pela primeira vez no último domingo para show no Jack. “Muito maneira. Cidade bonita, pessoal empolgado demais”. Deve, contudo, demorar a retornar: ele acaba de ser escolhido pelos fundadores do Queen, Brian May e Roger Taylor, como cantor da banda-show Queen Extravaganza (Quex), que entrará em nova turnê pela Europa.

Trata-se do único tributo oficial do Queen porque pertence, desde sua criação, em 2012, ao próprio Queen, com coordenação, supervisão e eventuais participações em shows de Taylor (baterista) e May (guitarrista).

Alírio – que já havia interpretado músicas da icônica banda britânica na produção brasileira do espetáculo “We Will Rock You” em 2016 – substitui o canadense Marc Martel. “É um sonho. E está acontecendo”, diz.

Ele, que integrou bandas de rock pesado e progressivo, é o primeiro cantor da América do Sul a assumir o posto.

Em entrevista ao JC, por telefone, descreve o que espera a partir de agora – e como, afinal, entrou para a família Queen.

JC – Alírio: há dias você estava em palcos de São Paulo e Bauru. Em breve, vai excursionar pela Europa com uma banda que leva o nome Queen. Como se deu isso?

Alírio – O Queen tem três produtos oficiais: o musical “We Will Rock You”, do qual fui o personagem principal na produção brasileira; o Queen com Adam Lambert; e o Queen Extravaganza, que é um projeto do Brian May e do Roger Taylor como uma banda-tributo que eles criaram. Viam muitas bandas cover do Queen no mundo e queriam ter uma deles. Eventualmente também fazem participações nos shows.

WhatsApp/Reprodução
Show por aqui – tributo à banda norte-americana Dream Theather foi realizado domingo no Jack. Na foto: Daniel Santos, Marcelo Barbosa, Alírio Netto, André Duarte (de Bauru, promotor do show), Rodrigo Silveira e Felipe Andreoli

JC – Como exatamente chegaram até você…

Alírio – Por conta do meu trabalho no Brasil com o musical. Acabei recebendo e-mail do Taylor, fui a Londres em dezembro, estive com ele e Brian May e fiquei no aguardo. Fui agora anunciado nas redes da banda, o que é literalmente um susto e um sonho.

JC – Qual o grau de ineditismo dessa sua entrada no grupo?

Alírio – Bom, passo a ser o segundo vocalista da Queen Extravaganza e o primeiro da América do Sul. Até agora era Marc Matel, que entrou após o Queen fazer um concurso nos EUA e Reino Unido para formar o grupo. Agora essa ‘pic…’ é minha [risos].

JC – Há uma data para a turnê pela Europa, Estados Unidos e, talvez, Brasil?

Alírio – Em princípio a gente começa shows em meados de outubro, fazendo Inglaterra, Irlanda, acho que Escócia… São muitos shows previstos até dezembro, provavelmente nos Estados Unidos e Canadá também. Será a turnê com músicas do “Greatest Hits”, coletânea que foi o disco que mais vendeu do Queen. Só tem hits, aquelas músicas icônicas, como “Bohemian Rhapsody”, “Radio Ga Ga”… E, claro, espero que o Brasil seja incluído. Já recebi mensagem de dois empresários com esse interesse e aproveitei para logo repassar aos empresários do Queen.

JC – O tamanho dessa responsabilidade assusta? Afinal, estamos falando de ser cantor num universo musical que teve o posto ocupado por Freddie Mercury… 

Alírio – Sou um cara muito tranquilo. Claro que, nesses dias, estou recebendo mensagens de gente de várias partes do mundo, está um certo agito, mas sigo com pé no chão porque me preparei para isso. Estou confiante. Foi meu trabalho que me levou até lá. Prometo entregar essas músicas com todo o meu coração e da melhor forma que minha voz puder conduzir.

JC – Você esteve em Bauru no domingo para show tributo à banda norte-americana Dream Theater no Jack como vocalista de um grupo formado por feras do rock. Já sabia, então, que havia sido escolhido?

Alírio – Sim, o show de Bauru foi o segundo após Roger Taylor me anunciar. Antes, tive um em São Paulo no Manifesto Rock Bar. Aliás, foi minha primeira ida a Bauru e gostei muito da cidade, muito maneira, e com uma galera ótima. Senti muito entusiasmo de Bauru com o rock, com a música. Excelente receptividade.

JC – Por coincidência, Bauru recebeu nesta quarta-feira um show da banda cover brasileira Classical Queen que, em sua página no Facebook, também desejou sorte a você, por eles classificado como “excelente cantor”.

Alírio – A banda é foda, já vi vários vídeos. A gente tem de armar de, um dia, fazer alguma coisa juntos.

QUEM É O NOVO QUEEN

Reprodução
Livia Dabarian, Brian May (guitarrista do Queen) e Alírio Netto, em Londres, em dezembro de 2017

Natural de Santa Catarina, o cantor Alírio Netto morou em Brasília em 1998, onde interpretou Jesus no musical “Jesus Christ Superstar”. Acabou ampliando essa participação ao mudar-se para o México e assumir o posto principal do mesmo espetáculo por lá.

De volta, entrou para a banda de metal progressivo Khallice com a qual, em shows fora do país, dividiu palco de festivais com grupos como Iron Maiden e Guns N’Roses. Foi vocalista do grupo de rock pesado Age of Artemis, reconhecido na Europa, até se tornar protagonista do musical “We Will Rock You”, de homenagem ao Queen, no Brasil. Com a mulher, Livia Dabarian – que integrava o elenco do espetáculo e para quem fez pedido de casamento em uma das apresentações – já se apresentou, cantando músicas do Queen, em programas como “Domingão do Faustão” e “Altas Horas” (Globo) e “Todo Seu” (Gazeta). Além de Alírio, o Queen Extravaganza terá, como músicos fixos, o baterista Tyler Warren, o baixista François-Olivier Doyon, o guitarrista Nick Radcliffe e o tecladista Darren Reeves.

Confira o vídeo:

SERVIÇO

https://www.facebook.com/nettoalirio/https://www.queenextravaganza.comhttps://www.queenonline/quex

Fonte: https://www.jcnet.com.br/Cultura/2018/03/um-brasileiro-na-familia-queen.html

Deixe uma resposta