Dois sons na disputa de prêmio nacional

0
593

Por: Divulgação
Fonte: Jornal da Cidade

A região de Bauru tem dois representantes da música autoral independente no disputado Prêmio Profissionais da Música 2019. O jornalista e compositor Nélson Itaberá e o violeiro e luthier Levi Ramiro estão na semifinal, em categorias distintas. A votação está aberta ao público, nesta segunda etapa, até domingo. O voto popular será somado ao voto profissional na definição dos finalistas em cada categoria. Levi está na semi indicado para Violas e Violeiros pelo conjunto de sua obra com nove discos lançados. Itaberá disputa na categoria Livros Musicais com o projeto “O Livro que Canta”, lançado em 2019 com Documentário, DVD, álbum musical e livro integrados.

O Prêmio Profissionais da Música seleciona autores, produtores e projetos de criação em diversas modalidades, que incluem de roteiro a álbuns musicais, de editores a produtores culturais, de arranjadores a instrumentistas.

Os trabalhos indicados passaram pelo crivo dos próprios profissionais na primeira etapa. Em sua quarta edição, o prêmio recebeu 760 inscrições para 67 categorias, de criação, produção e convergência (festivais e projetos digitais ou de multiplataforma em música).

O programa seleciona autores (as), cantores (as), produtoras (es), instrumentistas, arranjadoras (es), intérpretes de Hip Hop & Rap, Instrumental, Rock, Blues, Heavy Metal, Hardcore, Groove & Pop, Violas e Violeiros, Clássico, Cultura Popular, Samba, Choro, Eletrônico e outros.

Em Projetos Musicais Especiais, a premiação seleciona trabalhos nas categorias Infantil, Educativo, Bloco de Carnaval, Som de Rua, Orquestras, Grupos Vocais, Trilha TV e Cinema, Trilha Games e Bandas Musicais e Fanfarras.

Itaberá e Levi

Nélson Itaberá estreia em sua indicação na seleção na categoria Livros Musicais. Autor de quatro álbuns musicais independentes (Pedra brilhante, Linguagens, Lições de vida e Literatura cantada), o jornalista e compositor com atuação a partir de Bauru está na semifinal com o trabalho que reúne Documentário e álbum musical derivados do livro “Literatura Cantada”.

O projeto “O Livro que Canta”, com aprovação do selo Proac, teve DVD lançado no final do ano passado e conta com três Documentários com programação para lançamento neste ano.

A produção do projeto “O livro que canta” nasceu da pesquisa em linguística realizada pelo autor na busca da utilização da relação entre sílabas e notas musicais (prosódia) na criação de canções. Na segunda etapa, o compositor utiliza a ferramenta para criar melodias em cima de temáticas da psicologia comportamental e, por fim, na reflexão sobre a identidade cultural brasileira.

O instrumentista e luthie Levi Ramiro da Silva, natural de Uru, está radicado em Pirajuí, na região, sendo autor de novo álbuns musicais a partir de 1997, quando estreou com Maracanãs.

Em 2017, Levi lançou “Purunga” e utiliza na obra, como fruto de sua produção artesanal de instrumentos, a técnica de luthie com o uso da cabaça. Reconhecido instrumentista e violeiro, Ramiro tem composições gravadas por inúmeros artistas, como Ana Salvagni, Matuto Moderno, Dércio Marques, Paula Veloso, Tânia Grinberg, Jorge Curuca, Manu Saggioro e João Carlos e Maurício.

Suas composições com temas voltados à preservação da natureza foram usados como trilha no vídeo educativo Cerrado, o berço das águas, produzido pelo Instituto Ambiental Vidágua (Bauru).

Fonte: https://m.jcnet.com.br/Cultura/2019/03/dois-sons-na-disputa-de-premio-nacional.html?utm_source=Whatsapp&utm_medium=referral&utm_campaign=Share-Whatsapp

Deixe uma resposta