A Prevenção de Litigio com Tratamento Humanizado

0
331

Por Armando Trentini – Advogado especialista em Direito Médico

 

Não só o termo de consentimento é necessário para prevenir litígios, como a forma que o paciente é tratado.

O atendimento humanizado, em consultório médico, inicia-se no agendamento, seja ao falar ao telefone ou via remota. Se for agendamento via ligação, é comum o paciente já começar a relatar seus sintomas, pois está sendo e se sentindo ouvido. Nesse momento, é importante a atendente ter empatia e educação necessárias. Depois, com a chegada do paciente à clínica, a forma como será recepcionado, a limpeza do local, a segurança que o ambiente passa, o treinamento dos funcionários, desde o telefone até a sala de espera, são todos quesitos relevantes.

A espera é um importante ponto a ser tratado. É comum ocorrerem atrasos no atendimento médico, mas não é o correto. O paciente já está debilitado e, geralmente, com acompanhante, ambos dispendendo tempo em busca de alento e tendo que aguardar, mesmo tendo feito agendamento. Salvo em situações de urgência, não é correto fazer o cliente esperar muito tempo. De repente aumentar o tempo entre consultas pode mitigar essa situação, mesmo que resulte na redução de atendimentos diários, que a longo prazo compensar-se-á com a vinda de novos pacientes, diante do diferencial de atendimento, inclusive podendo cobrar mais pela consulta.

Finalmente, chegamos ao atendimento em si. O cliente, dentro da sala médica, deve ter um tratamento em sua totalidade. Pode ser que, para o médico, seja apenas mais uma situação como outras vivenciadas naquele dia, mas para aquele paciente, é a primeira vez. Assim, buscar um atendimento com atenção, sem estar no “modo automático”, sem achar que os sintomas do paciente são besteira, comuns ou normais.

O paciente não está acostumado a se sentir mal, logo, ele se preocupa e busca alento no médico de sua confiança. Portanto, a humanização do tratamento é necessária e faz a relação médico-paciente mais segura, sensata e alicerçada para o fim de um tratamento mais satisfatório e, por consequência evitar o litígio.

 

Armando Trentini é Advogado especialista em Direito Médico, Odontológico e da Saúde

 

Insta: @armando_trentini

Mail: direitomedico@armandotrentini.adv.br

Deixe uma resposta